Porto Alegre, 1 de Novembro de 2014.
Pesquisar

Em
Página InicialContatoAdministrativo
Notícia

Calma com a separação e o divórcio!, por Sérgio Gischkow Pereira *

21/07/2010

[] []

É primário que as leis se sujeitam às divergências de interpretação. Mas há limites para o voluntarismo interpretativo. Sempre fui pela simplificação do divórcio, de molde a ser obtido sem necessidade de prazos ou de prévia separação judicial. Porém, parece-me que estão sucedendo equívocos por excesso de entusiasmo com a alteração constitucional (art. 226, § 6°), que não mais contempla, para o divórcio, os requisitos de prévia separação judicial por um ano ou separação de fato por dois anos.

Os sintomas de reação aparecem. Tabelionatos hesitam em ter como afastada a separação e em ignorar aqueles prazos, e profissionais do Direito divergem sobre o alcance da reforma constitucional.

Os equívocos dos entusiastas são dois: a) entender que a separação judicial (e também a extrajudicial) desapareceu; b) afirmar peremptoriamente que as exigências anteriores para o divórcio já foram eliminadas.

(a) A Constituição Federal não tratava da separação judicial, mas somente do divórcio. A separação judicial apenas foi elidida como exigência para o divórcio, mas permanece no sistema brasileiro, enquanto não revogado o Código Civil. Muitos pensam assim. A Constituição fala que o casamento é dissolvido pelo divórcio; ora, a separação não dissolve casamento, mas sim a sociedade conjugal. Alguns asseveram que ela é inútil. Não é bem assim. Desde que não atrapalhe o divórcio, pode continuar no Código Civil. A verdade é que pode ser o único caminho para aqueles cuja religião não admite o divórcio.

(b) A Constituição, ao nela constar que o casamento pode ser dissolvido pelo divórcio, não especifica requisitos, com o que sustentável que continuem regidos pelo Código Civil (não concordo, mas vários assim pensam). As dúvidas se multiplicam em um tema que atinge milhões de pessoas.

O mais recomendável é que de imediato se altere o Código Civil, retirando dele, se for o caso, a separação judicial (e, do Código de Processo, a extrajudicial), eliminando os requisitos de prazo para divórcio e definindo se a discussão de culpa permanece ou não. Não agir assim é provocar grande tumulto e divergências, tendo como resultado muito maior demora nos processos e o risco de futura epidemia de nulidades e carências de ação em milhares deles! O povo merece maior consideração!

*Desembargador aposentado e professor

Fonte: Zero-Hora

[] []

Nota de responsabilidade:
As informações aqui veiculadas têm escopo meramente informativo e reportam-se às fontes indicadas. O Colégio Registral do Rio Grande do Sul não assume qualquer responsabilidade pelo teor do que aqui é veiculado. Qualquer dúvida, o consulente deverá consultar as fontes indicadas. As opiniões veiculadas nestas páginas não expressam necessariamente a opinião da diretoria do Colégio Registral e dos editores deste informativo. As matérias assinadas são de exclusiva responsabilidade de quem as subscreveram.

Título: Condomínio e Incorporação no Registro de Imóveis
Autor: Mario Pazutti Mezzari
Por:
$200.00
detalhes...
Título: Registro de Pessoas Naturais - Perguntas e Respostas
Autor: Gladson Rogério de Oliveira Miranda
Por:
$40.00
detalhes...
Título: Registro Civil das Pessoas Naturais
Autor: Regina de Fátima Marques Fernandes
Por:
$80.00
detalhes...
Título: O Instrumento Particular e o Acesso ao Registro de Imóveis
Autor: Valdecir Rodrigues Vieira
Por:
$60.00
detalhes...
mais obras...
Usuário:
Senha:
Esqueceu sua senha?



31/10/14 - Processo que discute filiação socioafetiva deve voltar à primeira instância para produção de provas
31/10/14 - Reconhecimento de filiação socioafetiva depende de prova do filho
31/10/14 - TJSP: Publicado Parecer 296/2014E – Registro de Imóveis da Capital
31/10/14 - Instalada comissão mista para análise da medida provisória da concentração da matrícula
31/10/14 - AGU comprova ocupação indevida de terra destinada à reforma agrária no interior do Amazonas
31/10/14 - TRT2: boa ou má-fé de terceiro adquirente não determina fraude na execução
31/10/14 - Rio de Janeiro implanta unidades interligadas no IML e facilita o registro de óbito no Estado
mais notícias...

29/10/14 - Concurso Público de Provas e Títulos para Outorga de Delegações de Notas e de Registro do Estado de Minas Gerais
28/10/14 - Informações sobre o concurso extrajudicial de Minas Gerais
13/10/14 - Curso para servidores do INSS vai usar casos reais para prevenir fraudes previdenciárias
08/10/14 - 1º Seminário do CORI-MG – Registro Eletrônico
mais notícias...

20/10/14 - IX Seminário Luso-Brasileiro-Espanhol de Direito Registral Imobiliário
17/10/14 - Últimos dias para se inscrever no Cinder 2014
17/10/14 - III ENCONTRO DE DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO
mais eventos...

© Colégio Registral do Rio Grande do Sul. Todos os direitos reservados.
Rua Cel. Genuíno, 421/ 302 - Centro Histórico
90010-350 - Porto Alegre/RS
Fone/Fax: (51) 3226-2976