Porto Alegre, 30 de Agosto de 2014.
Pesquisar

Em
Página InicialContatoAdministrativo
Notícia

Calma com a separação e o divórcio!, por Sérgio Gischkow Pereira *

21/07/2010

[] []

É primário que as leis se sujeitam às divergências de interpretação. Mas há limites para o voluntarismo interpretativo. Sempre fui pela simplificação do divórcio, de molde a ser obtido sem necessidade de prazos ou de prévia separação judicial. Porém, parece-me que estão sucedendo equívocos por excesso de entusiasmo com a alteração constitucional (art. 226, § 6°), que não mais contempla, para o divórcio, os requisitos de prévia separação judicial por um ano ou separação de fato por dois anos.

Os sintomas de reação aparecem. Tabelionatos hesitam em ter como afastada a separação e em ignorar aqueles prazos, e profissionais do Direito divergem sobre o alcance da reforma constitucional.

Os equívocos dos entusiastas são dois: a) entender que a separação judicial (e também a extrajudicial) desapareceu; b) afirmar peremptoriamente que as exigências anteriores para o divórcio já foram eliminadas.

(a) A Constituição Federal não tratava da separação judicial, mas somente do divórcio. A separação judicial apenas foi elidida como exigência para o divórcio, mas permanece no sistema brasileiro, enquanto não revogado o Código Civil. Muitos pensam assim. A Constituição fala que o casamento é dissolvido pelo divórcio; ora, a separação não dissolve casamento, mas sim a sociedade conjugal. Alguns asseveram que ela é inútil. Não é bem assim. Desde que não atrapalhe o divórcio, pode continuar no Código Civil. A verdade é que pode ser o único caminho para aqueles cuja religião não admite o divórcio.

(b) A Constituição, ao nela constar que o casamento pode ser dissolvido pelo divórcio, não especifica requisitos, com o que sustentável que continuem regidos pelo Código Civil (não concordo, mas vários assim pensam). As dúvidas se multiplicam em um tema que atinge milhões de pessoas.

O mais recomendável é que de imediato se altere o Código Civil, retirando dele, se for o caso, a separação judicial (e, do Código de Processo, a extrajudicial), eliminando os requisitos de prazo para divórcio e definindo se a discussão de culpa permanece ou não. Não agir assim é provocar grande tumulto e divergências, tendo como resultado muito maior demora nos processos e o risco de futura epidemia de nulidades e carências de ação em milhares deles! O povo merece maior consideração!

*Desembargador aposentado e professor

Fonte: Zero-Hora

[] []

Nota de responsabilidade:
As informações aqui veiculadas têm escopo meramente informativo e reportam-se às fontes indicadas. O Colégio Registral do Rio Grande do Sul não assume qualquer responsabilidade pelo teor do que aqui é veiculado. Qualquer dúvida, o consulente deverá consultar as fontes indicadas. As opiniões veiculadas nestas páginas não expressam necessariamente a opinião da diretoria do Colégio Registral e dos editores deste informativo. As matérias assinadas são de exclusiva responsabilidade de quem as subscreveram.

Título: Consolidação Normativa Notarial e Registral
Autor: Corregedoria Geral da Justiça
Por:
$50.00
detalhes...
Título: Condomínio e Incorporação no Registro de Imóveis
Autor: Mario Pazutti Mezzari
Por:
$200.00
detalhes...
Título: Direito Contratual - Temas Atuais
Autor: Coord. Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka e Flávio Tartuce
Por:
$89.00
detalhes...
Título: A Função Notarial e a Segurança Jurídica
Autor: Régis Cassiano Menezes
Por:
$30.00
detalhes...
mais obras...
Usuário:
Senha:
Esqueceu sua senha?



29/08/14 - CNJ e instituições discutem acesso dos detentos a documentos e à cidadania
29/08/14 - Beneficiários do Minha Casa, Minha Vida poderão ser divulgados pela internet
29/08/14 - AGU assegura dedução do valor de imóvel rural desapropriado para recompor reserva legal
29/08/14 - Dilma veta projeto de lei complementar sobre criação de municípios
29/08/14 - Decretos estabelecem novas áreas para a reforma agrária em Sergipe e na Bahia
28/08/14 - Reserva única de até 40 mínimos é impenhorável, qualquer que seja a aplicação financeira
28/08/14 - Turma reconhece união estável e mantém pagamento de pensão por morte à viúva
mais notícias...

28/08/14 - Edital Nº 036/2014 - CECPODNR
22/08/14 - Curso de IVD URI - Erechim
21/08/14 - TJPB realiza Audiência Pública para identificar provas da segunda etapa do I Concurso para os Cartórios Extrajudiciais
21/08/14 - CURSO DE IVD UCS – BENTO GONÇALVES
mais notícias...

21/08/14 - IRIB: Encontro dos Oficiais de Registro de Imóveis do Brasil
25/03/14 - VIII Encontro Notarial e Registral do RS repete o sucesso de eventos anteriores
20/02/14 - VIII Encontro Notarial e Registral do RS
mais eventos...

© Colégio Registral do Rio Grande do Sul. Todos os direitos reservados.
Rua Cel. Genuíno, 421/ 302 - Centro Histórico
90010-350 - Porto Alegre/RS
Fone/Fax: (51) 3226-2976