26 de fevereiro de 2008

Estudo revela que país precisa de mais 27,7 milhões de moradias até 2020

O Brasil vai precisar de 27,7 milhões de novas moradias desde 2007 até 2020 para dar conta de atender o crescimento das famílias, zerar o atual déficit habitacional e acabar com cortiços e favelas, demonstra pesquisa inédita realizada pela FGV Projetos sob encomenda do SindusCon-SP.

De acordo com o estudo, o país terá 21,1 milhões de famílias a mais em 2020 – em 2006, segundo a PNAD, havia 59,1 milhões delas. A pesquisa também prevê a eliminação das 2,431 milhões de moradias habitadas por duas ou mais famílias (coabitação) e das 3,548 milhões de moradias inadequadas, como as favelas e cortiços. Dessas 27,7 milhões de moradias, entre 70% e 75% são famílias com renda familiar de até dez salários mínimos, faixa de renda mais carente de habitação e que mais cresce.

Para resolver o problema do déficit habitacional brasileira, que estaria hoje, segundo a FGV Projetos, em 7,964 milhões de moradias, o SindusCon-SP estima que pelo menos 40% dos recursos necessários terão de ter subsídio ou algum tipo de apoio do governo. Com isso, R$ 110 bilhões viriam dos cofres públicos. “O horizonte de 2020 é factível. Se o governo não quiser investir tanto, pode pelo menos indicar uma meta e gerar uma política firme que dê à iniciativa privada um ambiente favorável de investimentos nesse segmento”, diz João Claudio Robusti, presidente do SindusCon-SP.

Entre 2005 e 2006, cerca de 1,6 milhão de moradias foram construídas no país. Nos cálculos da FGV Projetos, esse número teria de subir para 2 milhões de unidades anuais.

Veja a apresentação do estudo

Fonte: Sinduscon-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *